Simple things :: ramos de flores selvagens

IMG_9465

Já tinha saudades de vir aqui… perdoem-me a ausência, mas entre trabalho e a mudança de hosting aqui do blog, não tenho conseguido tempo para escrever, nem tirar muitas fotografias sem ser de trabalho. Quando surgem os dias de fim-de-semana ou feriados em que não há trabalho, aproveito para descansar, longe do computador e muitas vezes até longe da máquina. Às vezes nem saio de casa, outras vezes saio e levo a analógica (estou à espera que cheguem 4 rolos revelados!).

IMG_9366 IMG_9368 IMG_9372

Mas tal como tinha já partilhado aqui antes, sinto saudades do Projecto 365, apesar de ter sido um percurso que nem sempre foi fácil de percorrer. E este ano noto a diferença, noto a falta de fotografias, noto a falta de registo do que vão sendo os meus dias.

Só que neste dia em particular quis que fosse diferente. Tinha ido passear o Kobe para Monsanto e não tinha levado a máquina. Mas depois de ver as flores de tantas cores que cresciam por todo o lado, não resisti em voltar lá com a máquina depois de levar o Kobe a casa.

IMG_9378 IMG_9389 IMG_9423 IMG_9426 IMG_9431

Terminei a tarde com um ramo de flores selvagens, de várias cores, tamanhos, cheiros… e lembrei-me dos bouquets de flores que fotografo nos casamentos. Por vezes tenho noivas que levam ramos absolutamente maravilhosos, compostos com perícia, com flores da época ou exóticas… outras vezes são absolutamente maravilhosos, sem grande perícia, e apenas compostos de flores selvagens. Gosto de fotografar qualquer um deles.

IMG_9432 IMG_9435 IMG_9441

Não sendo uma pessoa que tenha sempre flores em casa (é aliás raríssimo comprar flores), adoro fotografá-las nos seus detalhes tão particulares. E estas conquistaram-me os olhos e o coração, porque de repente tinha um ramo tão composto nas mãos. 

E pensei… um dia se casar, quero um ramo assim.

IMG_9446 IMG_9458 IMG_9448 IMG_9465 IMG_9469 Blog Template

Facebook / Instagram / Pinterest / Etsy / Menina Lisboa

Love-Birds :: Helena + Lino

IMG_9832

Quem trabalha como fotógrafo de casamento sabe que há datas que são especiais, que são mais requisitadas, que são mais populares e que muito certamente teremos pouca ou nenhuma dificuldade em as reservar. Habitualmente uma dessas datas é o primeiro sábado de setembro, que é por excelência um dos meses mais procurados para casar. É um mês simpático, com calor, mas sem a azáfama de agosto.

IMG_9581 Blog Template #1

Habitualmente é o mês que reservo primeiro, mas curiosamente, em 2014 tinha todos os fins-de-semana de setembro fechados à exceção daquele primeiro, para o qual tantos pedidos já tinha recebido. Mas é mesmo assim… e a verdade é que se tivermos um sábado livre (ainda que tal aconteça quase excepcionalmente) até não é mau, porque se no meio de um ano inteiro de casamentos e sessões, tiver um livre sabe como se fosse a melhor coisa do mundo.

E assim estava o meu 6 de setembro, até ter recebido o pedido da Helena e do Lino há cerca de um ano atrás, que iriam casar aqui pertinho de casa – na Estufa Real, numa cerimónia bastante intimista.

IMG_9610 IMG_9612 IMG_9617 IMG_9628

A Helena veio do Brasil estudar para Portugal, conheceu o Lino, apaixonaram-se e mas ainda tiveram de viver este amor com um oceano pelo meio, durante algum tempo. Mas amor a sério é assim mesmo, sobrevive às distâncias e cresce mais forte ainda. A Helena mudou-se definitivamente para Portugal e decidiram casar num espaço que lhes seria quase como natural.

Para a sessão escolhemos o mesmo tom, viemos para o campo (no meio da cidade) que é a casa deles, o espaço que conhecem e que lhes é familiar. E tem ainda como bónus um belíssimo miradouro sobre a Ponte 25 de Abril!

IMG_9633 IMG_9637 IMG_9658

E conhecer a história da Helena e do Lino veio comprovar que não precisamos de ficar ansiosos com datas que deviam estar ocupadas e não estão. Se não ficarem ocupadas é porque devemos aproveitar ao máximo esse tempo livre, se ficarem ocupadas, será por uma história que valerá a pena conhecer e contar.

A sessão foi gira e descontraída, como se dois amigos me mostrassem um espaço especial para eles, e o casamento foi em tom intimista, pelo “meu” Jardim Botânico, tal como eu gosto. E assim continuo a acreditar que as histórias que devemos contar vêm ter connosco.

IMG_9670 IMG_9674 IMG_9678 IMG_9697 IMG_9700 IMG_9703 IMG_9730 IMG_9732 IMG_9752 IMG_9759 IMG_9792 IMG_9794 IMG_9813 IMG_9832 IMG_9835 Blog Template #2 IMG_9861 IMG_9885

Pedir informações * Ask for info!
Facebook / Instagram / Pinterest / Etsy / Menina Lisboa

Retrato :: Andrea

IMG_5206

Não me lembro ao certo quando me cruzei virtualmente com a Andrea. Sei que sabia quem ela era, e recordo-me de acompanhar a abertura da loja em 2013. No início de 2014 consegui finalmente fazer uma visita à loja para a fotografar, pois pelo que acompanhava através de fotografias, era impossível não adorar ver tudo pessoalmente e claro, queria muito conhecer a Andrea.

E é curioso que ao longo de 2014 fomos falando cada vez mais e apesar de termos algumas coisas bem distintas entre nós (eu gosto de chuva e se fosse pela Andrea era verão o ano inteiro, eu não sou muito chegada a fazer praia e isto para a Andrea é incompreensível…), temos outras em comum que valem muito mais do que estas diferenças.

Blog Template #1 IMG_5109

A conversa entre nós flui durante horas, é publicamente conhecido o nosso amor e devoção aos pastéis de nata desta cidade, tal como pela cidade em si, e tantas outras mais coisas. Além de tudo isto, celebramos os nossos aniversários no mesmo mês e temos uma predilecção enorme por este dia, que apesar de nos “dar mais um ano”, é sempre um motivo para celebrar.

E a Andrea tem aquele espírito positivo e energia que contagiam, e com o qual me identifico imenso. Aos 35 anos tem a confiança de quem gosta de si, tal como é, que se aceita e sabe que tem mil e um motivos para sorrir todos os dias. E é bom rodearmo-nos de pessoas assim, com esta força, com esta energia e com este sorriso enorme.

IMG_5122

No passado mês de dezembro, um dia antes do seu aniversário, combinámos uma sessão fotográfica em modo de passeio por esta Lisboa que nos apaixona. O destino era a Mouraria e a belíssima Casa da Severa. E foi um passeio com um cheirinho a inverno, a Natal, aos dias curtos e frios que chamam pelo chá quente e pela manta. E apesar de agora estarmos em plena primavera (ainda que com alguma timidez nos últimos dias), vai saber bem recordar uma tarde tão bem passada!

Blog Template #2

Aqui fica a Andrea, 35 anos, com um sorriso de quem parece ter feito apenas 15, mãe de dois rapazes gémeos, com uma história de amor que começou numa viagem de Erasmus em Itália, gulosa ou por outras palavras, apreciadora das coisas boas da vida, arquitecta de formação, co-proprietária da loja-mais-querida-do-bairro, com um enorme sentido de humor e muitas mais coisas que enchem o coração a quem a tem por perto!

IMG_5129

IMG_5143 Blog Template #3 IMG_5145 Blog Template #4 IMG_5157 IMG_5163 IMG_5165 IMG_5171 Blog Template #5 IMG_5196 IMG_5203 IMG_5206

Pedir informações * Ask for info!
Facebook / Instagram / Pinterest / Etsy / Menina Lisboa

Aquelas fotografias que tirei em 2013

IMG_1370

A semana passada partilhei algumas das fotografias de 2012 que me faziam sempre brilhar os olhos, mesmo que não tivessem nada de especial… Aquelas que continuo a achar bonitas, pelas cores, pela perspectiva, pela luz. E tal como prometido, hoje vêm as de 2013.

Algumas já serão conhecidas, mas gosto sempre de as recordar (isto quase parece um “não tinha nada para dizer no blog e fui buscar as fotografias antigas para arranjar assunto”, mas prometo que não é nada disso!), e mais uma vez perceber que há elementos que se repetem nas minhas fotografias. É sinal que sou mesmo sensível a certas coisas (de notar que há 3 candeeiros pretos antigos nesta selecção).

IMG_1486 IMG_3078 IMG_3979

E é por isso que às vezes deliro tanto quando chego a um sítio bonito para fotografar, quando os clientes me mostram os sítios onde vão casar e parece que foram escolhidos para mim, ou quando numa sessão perfeitamente normal, de repente a luz fica perfeita e eu pareço uma criança com um brinquedo novo e consigo contagiar os clientes com a minha excitação!

IMG_4122 IMG_4178 IMG_4185

E a vontade é espalhar estas fotografias pela casa. Porque eu, como fotógrafa, apelo sempre que as fotografias não “morram” nos computadores, e por isso devia fazer mais como os conselhos que dou. Mas não há paredes que cheguem para tantas fotografias que tiro, por isso a minha resolução para este ano é maquetizar alguns livros com estas fotografias! Pelo menos ficarão sempre à mão de serem vistas e apreciadas!

IMG_4330 IMG_5161 IMG_5744 IMG_6472 IMG_7200 IMG_7208 IMG_7839 IMG_7910 IMG_8026 IMG_8053 IMG_8091 IMG_9792

E por aí, onde andam as fotografias que vocês tiram?

Facebook / Instagram / Pinterest / Etsy / Menina Lisboa

A crush for film photographers

Não é segredo nenhum que adoro fotografar em filme e apesar de incluir isso em algumas sessões, acabo por fotografar em grande parte pelo prazer que me dá. E não vou repetir aquilo que é mil e uma vezes repetido por quem descobre o amor pelos rolos, mas antes partir deste tema para outra coisa que tem andado na minha cabeça há uns tempos.

Sabem quando fizeram uma coisa que vos custou tanto a terminar, em que sentiram a ansiedade por ver chegar o dia em que essa coisa ia terminar… e depois quando essa coisa está para trás, sentem falta dela? Sou eu com o meu Projecto 365. Tenho saudades dele. Dou comigo sem pegar na máquina, sem ser para trabalhar, ou talvez quando sei que vou andar pelas ruas da cidade em modo passeio.

E agora desse lado podem surgir três perguntas: 1) mas porque é que não começas um 365 outra vez? 2) mas porque é que então não andas sempre com a máquina como andavas antes? 3) e o que é que isto tem a ver com a fotografia analógica?

E são perguntas legítimas até, mas eu cá gosto das coisas certinhas e para começar um novo Projecto 365, só no dia 1 de Janeiro de 2016. E não ando sempre com a máquina atrás porque ela é pesada, e já me bastou o sacrifício de ter andado 365 dias com ela a tiracolo. Eu sei, disse há dois parágrafos atrás que sentia saudades disso. Mas o que querem? Ser ambivalente faz parte do meu charme! E quanto à resposta da pergunta 3, é que andar de máquina analógica a tiracolo é muito mais simples do que andar com a digital, muito mais agora que me apaixonei pela 35mm 1.4 da Sigma e não a largo nem por nada, o que faz com que a máquina pese ainda mais.

Conclusão, estou a escrever para me relembrar que tenho de fotografar mais com a analógica. E a verdade é que já comecei a caminhar nesse sentido. Na passada sexta-feira andei a passear pelas ruas da parte histórica de Lisboa com uma Canon AE-1 emprestada pela minha querida Susana para a testar e ver se é este ano que compro uma para alternar com a minha Yashica.

E por isso, o meu crush é por fotógrafos que fotografam quase sempre em analógico e fotografam coisas do dia-a-dia, porque é isso que me apaixona, não é tanto os retratos bonitos e de sonho de sessões ou de casamentos, mas as coisas do dia-a-dia. Porque são esses que nem sempre estão perfeitos, nem sempre as condições são as melhores, e nunca se sabe como sai. Mas sai como é e às vezes é isso que se quer e precisa.

Blog Post- Favorites

1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6

E prometo que entretanto irão aparecer mais posts com fotografias em filme, está bem?

Facebook / Instagram / Pinterest / Etsy / Menina Lisboa

Translate »